Fiscalização - Dicas dos Fiscais


23/07/2018 - 15h37

Sintomas, transmissão e vacinas: saiba mais sobre o Sarampo

Confira o material elaborado pela Orientação Técnica do CRF-RS.  

        Impresso


Sintomas, transmissão e vacinas: saiba mais sobre o Sarampo

O que é?

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmitida pela fala, tosse e espirro, e extremamente contagiosa, mas que pode ser prevenida pela vacina. Pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. As complicações infecciosas contribuem para a gravidade da doença, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade. Em algumas partes do mundo, a doença é uma das principais causas de morbimortalidade entre crianças menores de 5 anos de idade.

Quais são os principais sintomas?

• Febre alta, acima de 38,5°C;

• Dor de cabeça;

• Manchas vermelhas, que surgem primeiro no rosto e atrás das orelhas, e, em seguida, se espalham pelo corpo;

• Tosse;

• Coriza;

• Conjuntivite;

• Manchas brancas que aparecem na mucosa bucal, conhecida como sinais de Koplik, que antecede de um a 1 a 2 dias antes do aparecimento das manchas vermelhas.

Como a doença é transmitida?

O sarampo é altamente contagioso, pois sua transmissão ocorre de forma direta, por meio de secreções expelidas ao tossir, espirrar, falar ou respirar. A transmissão ocorre de quatro a seis dias antes e até quatro dias após o aparecimento de erupções cutâneas vermelhas agudas (exantema). O período de maior transmissibilidade ocorre dois dias antes e dois dias após o início do exantema. O vírus vacinal não é transmissível.

O sarampo afeta ambos os sexos igualmente. A incidência, a evolução clínica e a letalidade são influenciadas pelas condições socioeconômicas, nutricionais, imunitárias e aquelas que favorecem a aglomeração em lugares públicos e em pequenas residências.

Como prevenir?

A vacina é a única forma de prevenção e é aplicada nos postos de saúde gratuitamente, a partir de um ano de vida. A vacina disponível é a chamada tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola).

Esquema vacinal

Crianças entre 12 meses a menores de 5 anos de idade: uma dose aos 12 meses (tríplice viral) e outra aos 15 meses de idade (tetra viral).

Crianças entre 5 anos a 9 anos de idade que perderam a oportunidade de serem vacinadas anteriormente: duas doses da vacina tríplice viral.

Crianças de 10 anos a adultos com 29 anos: duas doses da vacina tríplice viral.

Adultos entre 30 e 49 anos: uma dose da vacina tríplice viral.

Quem comprovar a vacinação contra o sarampo conforme preconizado para sua faixa etária não precisa receber a vacina novamente.

Quem não deve se vacinar?

• Casos suspeitos de sarampo;

• Gestantes: devem esperar para serem vacinadas após o parto;

• Menores de 6 meses de idade;

• Pessoas imunocomprometidas.

Como tratar?

Não existe tratamento específico para o sarampo. É recomendável a administração da vitamina A em crianças doentes, a fim de reduzir a ocorrência de casos graves e fatais. O tratamento profilático com antibiótico é contraindicado.

Para os casos sem complicação, manter a hidratação e o suporte nutricional e diminuir a hipertermia. Muitas crianças necessitam de quatro a oito semanas para recuperar o estado nutricional que apresentavam antes do sarampo. Complicações como diarreia, pneumonia e otite média devem ser tratadas clinicamente de acordo com normas e procedimentos estabelecidos pelo Ministério da Saúde.

Qual o papel dos profissionais de saúde, entre eles, o farmacêutico?

Os profissionais de saúde possuem papel fundamental na detecção oportuna dos casos suspeitos de sarampo, bem como, execução de ações de controle relacionado ao caso e de cuidado do paciente.

Notificação

Considerando a alta infectividade e contagiosidade da doença, os profissionais dos serviços de saúde públicos e privados, devem notificar imediatamente todo caso suspeito de sarampo:

À secretaria municipal de saúde, por telefone, dentro das primeiras 24 horas a partir do atendimento do paciente;

À secretaria estadual de saúde, por telefone, fax ou e-mail, para acompanhamento junto ao município.

Fontes consultadas:

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde. – 6. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2005. Disponível em: https://bit.ly/2zOuP5R

Brasil. Ministério da Saúde. Sarampo: saiba tudo sobre a doença e a vacina. Disponível em: https://bit.ly/2J0ZXOS

Dúvidas e sugestões? Acesse nossos canais orienta@crfrs.org.br ou 51-30277520.

Equipe da Orientação Técnica






Encontrou algum erro ou conteúdo desatualizado em nosso site? - Clique AQUI e reporte para nossa área de qualidade.